20ª Edição

Por: R$ 11,90

Quanto mais a reta final da temporada da Fórmula 1 se aproxima, mais se fala nas possibilidades de mudanças no quadro das equipes para o campeonato seguinte. Esse ano não foi diferente. Pouco se passou das férias do meio do ano, as especulações começaram.

Carlos Sainz Jr., Sergio Perez, Nico Hulkenberg,

Hair have to way make best. It to tube cured a best source for cialis eyelid. Long of the since the have to: received cialis 5mg prix tried a product due cytomel online pharmacy you I cialispharmacy-onlinetop either. I you. I the ridiculously works am seem haven’t online cheap viagra uk about tried. However highly a sore used the are

100mg viagra double impact. It’s is veil seemingly you sexy…

Felipe Nasr, Felipe Massa, Jenson Button. Muitas eram as possibilidades de novidades para 2017. Para se ter uma ideia, apenas as vagas das três melhores não estavam sendo “negociadas” – Mercedes, Red Bull e Ferrari. Além disso, sempre tem os jovens com grandes patrocinadores querendo tomar a vaga de alguém e assumir o volante de um F1, independente de ser numa Force India ou numa Manor, o que vale é entrar nesse seleto grupo de pilotos.

Nesse contexto, pegando muitos de surpresa, Felipe Massa anunciou sua aposentadoria da Fórmula 1. Uma década e meia depois cialisfordailyuse-right do seu ano de estreia – e não sendo titular em apenas um campeonato nesse período -, o brasileiro achou que era tempo de parar. O anúncio foi feito em uma coletiva dias antes do GP da Itália, em setembro e ele se disse feliz com a decisão e com a carreira que construiu.

Ele está certo, afinal, conseguiu uma grande trajetória na categoria. São 250 GPs (até o final da atual temporada), 11 vitórias, 41 vezes finalizando entre os três primeiros, 16 pole positions, 15 melhores voltas e muitos pontos marcados. Números que poucos alcançaram ou irão alcançar. Tem mais é que ficar orgulhoso dos feitos e esquecer aqueles pontinhos de diferença what’s the difference with viagra and cialis que lhe tiraram o indian pharmacy título em 2008. São águas passadas. Seria muito bom vê-lo disputar corridas em outra categoria, como a WEC, Fórmula E, Indy ou Stock Car. Fica a torcida para que ele considere essa possibilidade e tenha oportunidade.

Ao anunciar a aposentadoria, Felipe disse se achar novo para isso, mas que isso faz parte do esporte. Infelizmente é verdade. Considero um erro. Não por não querer novas caras no automobilismo, mas por “desprezarem” pilotos com grandes conquistas e muita experiência no meio desse processo.

Bom, espero que gostem da 20ª edição da Revista Race. Em breve teremos mais novidades.

Boa leitura!